Estresse tóxico infantil: causas, sintomas e como evitar

Saiba tudo sobre o estresse tóxico infantil, condição que afeta muitos bebês e crianças

Aprender a conviver com adversidades faz parte do desenvolvimento saudável de um bebê ou criança. Quando nos sentimos ameaçados, nossos corpos nos preparam para responder a isso aumentando nossa frequência cardíaca, pressão sanguínea e hormônios do estresse, como o cortisol.

Quando o sistema do bebê e da criação de resposta ao estresse é ativado em um ambiente no qual o pequeno recebe o apoio dos adultos, os efeitos negativos do estresse diminuem consideravelmente e o resultado é que a criança terá uma resposta saudável diante do estresse, que é chamada de resposta positiva ao estresse.

Mas, se o bebê ou criança não é acolhido pelo adulto em seu momento de estresse e se isso acontece com certa frequência, isto pode causar graves problemas no desenvolvimento do cérebro do bebê e assim afetar sua capacidade de aprendizado e também suas emoções.

Bebê ou criança podem responder ao estresse de três maneiras: positiva, tolerável e tóxica.

Estresse tóxico: o estresse tóxico é o pior de todos. Ele ocorre quando a criança passa por adversidades frequentes ou prolongadas, como deixar o bebê chorar para dormir. Este tipo de ativação prolongada dos sistemas de resposta ao stress pode perturbar o desenvolvimento do cérebro e de outros sistemas de órgãos, e aumentam o risco de problemas no futuro como: dificuldades para aprender, diabetes, abuso de drogas e depressão.

Resposta positiva ao estresse: esta é a resposta ideal que todos os bebês e crianças deveriam ter. A criança passa por um determinado estresse, como tomar uma vacina ou chorar porque algo está errado, e então tem uma pequena elevação da sua frequência cardíaca e níveis hormonais. Mas, logo essa criança é acolhida pelos pais ou cuidadores e então tudo se estabiliza e ela fica bem.

Resposta tolerável ao estresse: isto ocorre quando a criança passa por um estresse muito grande, como um acidente de carro, a perda de um ente querido, entre outros. Nestes casos, o corpo dela reage de uma forma mais forte a essa situação de estresse. Porém, uma vez que a criança recebe o apoio adequado do adulto, todo o seu corpo, especialmente o cérebro, conseguem se recuperar e ela não sofre nenhuma grave consequência daquele estresse.

 

A melhor maneira de prevenir e tratar o estresse tóxico é atender as necessidades emocionais do seu bebê. As pesquisas apontam que apoiar a criança e atender às suas necessidades previne e até reverte os efeitos negativos do estresse tóxicos.

Veja um vídeo do pediatra e professor da Unicamp José Martins Filho:


Qual sua opinião? Escreva abaixo👇