Ele não recebeu convite para a festa porque tem síndrome de Down.

Ele não recebeu convite para a festa porque tem síndrome de Down.

Down

Jennifer ficou triste, mas também com um pouco de raiva.

A reação

“Eu percebo que isso não foi um descuido de sua parte, mas uma decisão intencional de não incluir o meu #filho.”

Sawyer havia celebrado seu aniversário com apenas alguns amigos próximos porque seus #pais quiseram fazer algo pequeno, mas este #menino escolheu convidar 22 colegas de turma para a sua festa, todos exceto Sawyer. Ele é um #menino tranquilo e feliz.

Ele nunca foi mau com seus #colegas e geralmente se dá bem com todo mundo, de acordo com sua #mãe. É por isso que ela acredita que seu #filho tenha sido posto de lado exclusivamente por ser um pouco diferente.

Ela acredita que muita gente sente medo e insegurança ao lidar com #crianças com Síndrome de Down:

“Eu sei que se você soubesse mais a respeito da Síndrome de Down, você não teria tomado esta decisão.”, ela escreveu.

A princípio ela não sabia como iria criar uma criança com Síndrome de Down. Ela também tinha seus próprios estereótipos e estava preocupada que outras crianças não se dessem bem com Sawyer.

Mas todos os seus medos sumiram quando ela viu ser #filho interagir com os #irmãos dele. Mesmo que pessoas com Síndrome de Down às vezes reajam a algumas situações de maneira que nós não consigamos entender, elas têm desejos e sonhos completamente normais como todo mundo.

“Pessoas com Síndrome de Down querem as mesmas coisas que você e eu queremos. Elas querem relacionamentos íntimos, querem se sentir amadas, querem contribuir, querem ter vidas significativas, e elas querem ir à festas de aniversário”, a #mãe dele escreveu.

Jennifer pediu aos #pais do menino que eles sentem e conversem com o filho deles.

E ela continua

“Como pais, nós queremos que as pessoas gostem dos nossos filhos, que eles tenham amigos, e que não sejam deixados para trás. E nós fazemos isso dando o exemplo e os encorajando a fazer escolhas que eles talvez não sejam grandes o suficiente para compreender totalmente.”

Jennifer tem certeza de que os dois meninos poderiam ser amigos se tivessem a chance de se conhecerem melhor.

Sawyer mal foi convidado para qualquer festa de aniversário no ano anterior também e Jennifer começou a sentir que ela era parcialmente responsável. Ela disse que nunca aproveitou a oportunidade para ir até a escola dele e explicar a situação do menino.

“Outros pais que eu conheço e que têm filhos com Síndrome de Down várias vezes começaram o ano escolar educando a turma, e eu não fiz isso. Ele sempre foi apenas o Sawyer para mim e eu não senti a necessidade de falar sobe a Síndrome de Down para a sua turma até este momento. Eu percebo agora que eu o decepcionei.”

Jennifer se arrepende de não ter feito isso antes. Se ela tivesse tirado um tempo para explicar sobre a Síndrome de Down aos colegas de classe de Sawyer e aos seus #pais, isso não teria chegado a este ponto. Ela terminou sua carta emotiva com um convite aos pais para se sentarem e conversarem pessoalmente.

Leia mais:

Esta carta foi “curtida” mais de 34.000 vezes e compartilhada ao redor do mundo. Jennifer atualizou seu post agradecendo aos leitores por toda resposta positiva, e para deixá-los saber que um dos pais do colega de turma de Sawyer havia lido a carta e fizeram imediatamente o que Jennifer havia pedido: eles se sentaram com o seu #filho e conversaram com ele sobre a Síndrome de Down, ajudando-o a entender melhor as atitudes de Sawyer.

O menino acabou decidindo convidar Sawyer para a sua festa de aniversário e ele ficou felicíssimo.

Esta história deve dar coragem aos pais de crianças com e sem Síndrome de Down para falarem mais abertamente uns com os outros. Uma vez que os medos e preconceitos sejam postos de lado, estas crianças podem ser perfeitamente integradas à sociedade – e tudo isso partindo de uma simples conversa com os seus #filhos.


Qual sua opinião? Escreva abaixo👇